segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Vai ter que ser um passo de cada vez

Nos minutos finais do jogo e na saída do Maracanã, fiquei pensando sobre o que e como escrever sobre a derrota na decisão de ontem. Como poucas vezes nos últimos tempos, minha vontade era desabafar, deixar o lado 'analista' encostado e falar tudo que desse na telha. Porém, nesse blog tenho que ter um mínimo de responsabilidade, então decidi dividir em duas partes. A primeira é tudo que deu na telha e que eu falaria numa discussão de bar. A segunda, o que achei do jogo como observador.
Quem acompanha o Blog há algum tempo sabe que jogo e organizo o Olímpico, que disputa um campeonato de Futebol Society. E sinceramente, analisando o time do Botafogo, não queria ninguém para fazer parte do meu time. Obviamente, existe a diferença de preparação física, mas expostos ao mesmo trabalho de condicionamento, prefiro meus colegas de time.
A vontade após o jogo era de mandar suspender o salário de todo o time. Como eles puderam perder para um time patético que lembra o Vasco de 2004, 2005 e 2008? Um time que não troca três passes seguidos e tem jogadores que mal jogariam em um Bangu da vida.
Perderam para um time que dava bicos para onde o nariz apontava, jogava com dez atrás da linha da bola e se recusava a atacar. Mas aí comecei a lembrar dos tempos de escola. Quando tínhamos um time limitadíssimo e adotávamos essa mesma tática. Defendíamos com todas as forças e se pintasse uma chance fazíamos o gol. Se não pintasse, pênaltis e vitória quase certa.
Pensei em quantas vezes atuei por times fracos, mas que vencíamos na base da garra e determinação e o quanto essas vitórias eram gostosas. Aí lembrei do que sobrava em nós. Espírito de decisão. Disputávamos cada bola como se fosse a última e no fim isso fazia toda a diferença.
Foi isso o que o Botafogo fez ontem. Como meu amado Garra (time da adolescência), se segurou lá atrás, mas lutou e sabia exatamente o que estava ali para fazer. Quando teve a chance, venceu e não se pode contestar.
O Vasco? Bom, discordo de quem diz que o time amarelou. O Vasco jogou exatamente a mesma coisa de todos os outros jogos da temporada. E aí residiu o defeito. Final tem que ter algo a mais, e o Botafogo teve, por isso venceu.
Agora vamos a parte séria do texto: há algum tempo atrás, escrevi um texto que elogiava o futebol bonito do time do Vasco. Dribles, tabelas e golaços encantavam a torcida durante a fase inicial da Taça GB. O grande problema é que o time viciou. Não criou alternativas, como chutes de fora, cruzamentos na área ou jogadas ensaiadas. E todo mundo percebeu como o Vasco jogava.
Já contra o Fluminense, as coisas não correram muito bem na parte ofensiva. Contra o Botafogo, o time mais retrancado que já vi jogar em toda minha vida, estava na cara que também não ia dar. O time alvinegro, defendia em bloco, compactava a defesa e o meio e não dava espaços. Insistindo nas tabelas, o Vasco deve ter batido todos os recordes de erros de passe em um único jogo. Pra furar essa barreira, atacávamos com 6. Ao roubar a bola, os zagueiros do Botafogo bicavam pra frente, contando com a briga da dupla gringa.
O único jogador disposto e com qualidade para fazer algo diferente era Carlos Alberto. Técnico e forte, ele driblava e arrematava de fora da área, dando esperanças a torcida. A força dos três volantes ajudava a destruir qualquer tentativa de golpe do Botafogo.
Na volta do intervalo, o primeiro erro de Vagner Mancini. Contra a força e a retranca do Botafogo, ele sacou Léo Gago, excepcional chutador, para entrada de Magno, mais um leve pra driblar. O jogo ficou até curioso, parecendo uma seleção da África contra uma européia.
Correndo para um lado e pro outro, o time do Vasco começava a cansar. Joel então deu sua sacada de mestre, sacando o inútil do Lúcio Flávio pra colocar o habilidoso e veloz Caio. Magno perdeu a bola no meio campo e Carlos Alberto fez falta na intermediária. Na cobrança, bola na barreira e escanteio. Bola alçada na área e gol de Fábio Ferreira, na falha dos dois Fernandos, o goleiro e o zagueiro.
Era tudo que o Botafogo queria. E o que se planejou para fazer. Cozinhar o 0x0 para depois matar. Faltavam mais de 20 minutos ainda para o jogo acabar, mas o Vasco não parecia mostrar forças para reagir. E tudo piorou quando Nilton deu carrinho estúpido no meio-campo e foi corretamente expulso.
A essa altura, Mancini já tinha borrado mais um pouco o time ao sacar Souza, o melhor dos volantes para entrada de Rafael Carioca. A essa altura, tinhamos só um jogador de proteção, três meias e um atacante. E ninguém que pudesse chutar de fora da área.
Perto do fim do jogo, Marcelo de Lima Henrique marcou um daqueles pênaltis que só ele dá. Idêntico a final de 2008, quando roubou o Botafogo, agora ele devolveu. Gol de Abreu, expulsão de Titi e fim das esperanças. Agora pra fechar o ciclo, esse juiz de merda tem que inventar um pênalti desse a favor do Vasco contra o flamengo. Aí ninguém ficará no luco ou prejuízo.
Agora ficam as lamentações, por termos estado tão perto do objetivo e fracassado. Nessa caminhada da reconstrução, estagnamos um pouco. Que o próximo passo seja chegar novamente a final e ser campeão do turno que se inicia nessa semana.
O Vasco atuou com: Fernando Prass, Elder Granja, Fernando, Titi e Márcio Careca; Nilton, Souza (Rafael Carioca), Léo Gago (Magno) (Rodrigo Pimpão) e Carlos Alberto; Philippe Coutinho e Dodô
.
Pra quem curte assistir futebol, o jogo de ontem foi agradabilíssimo. Dois times absolutamente diferentes, mostrando que existem várias formas de se chegar ao objetivo.
O Vasco segue abusando das individualidades. Contra defesas fracas e mal postadas, é goleada e show. Contra um time fechado, faltam alternativas e pela primeira vez no ano senti falta do Élton, que ao menos daria força e presença ao nosso ataque.
Já o Botafogo teve o mérito de não precisar de individualidades. Havia uma proposta clara de jogo, então não importava quem estivesse em campo, as coisas seriam iguais. Ninguém se destacou para o bem ou para o mal. Isso é o conceito de equipe e só nos resta aplaudir o triunfo do rival.
.
Ah, não podia esquecer de dizer: sempre o clima em clássicos entre Vasco e Botafogo é de paz. Porém, ao fim do jogo, alguns alvinegros se dirigiram ao lado do Vasco e ficaram falando gracinhas. O resultado só podia ser uma enorme briga.
Não sei se é por não gostar de fazer isso, que não consigo entender o porquê de alguns terem prazer em tripudiar do vencido. É semelhante ao ato de você pagar a mulher do cara e ir lá zoar ele pelo feito. O resultado sempre vai ser ruim.
.
Sds vascaínas a todos!

7 comentários:

Julio disse...

Sua análise do jogo é correta. Penso que o Vasco precisa de um trabalho psicológico para encarar finais. O time tremeu sim. Nâo dá para não ganhar daquele time ridículo do botafogo. Mesmo com os 11 na defesa.
A falha do Vasco começa na direção. Não dá para pensar em ser campeão com um elenco assim. Os laterais são fracos, a zaga é lamentável. O "omisso" Dinamite contratou um monte de jogadores medianos e quer colher resultados?
O bom Mancini pisou na bola ontem ao insistir com o apagado Dodô.
Vocês repararam quantas vezes os laterais e meias vascaínos tiveream chances de alçar bolas na área a todo momento? Mas cadê um centro avante de referência, tipo o Loco Abreu. O Kardec fez falta no jogo de ontem????

Gremista Fanático disse...

Fala Diego, uma pena cara, tudo levava a crer que o Vasco conquistaria o titulo, mas futebol é isso, eu comentei em alguns blogs na semana passado que quem tivesse mais garra e determinação ganharia e isso ate voce mesmo viu que o Botafogo teve mais, enfim, bola pra frente nada esta perdido, abraço.

Saudações do Gremista Fanático

Maldita Futebol Clube disse...

cara, estamos sem lateral direito e o time não joga pela esquerda, então estamos sem jogadas pelas laterais e afubnilando o jogo, facilitando a defesa adversária...ontem , quem tinha que ter saído era o dodô e se o vagner tiver luciodez, o rafael coelho seria titular( porém o péssimo juridico do vasco o deixou ser punido com 7 jogos). a derrota doeu pq jogamos mais, temos mais time e fica a estigm,a de vice. estou arrasado, penso em voltar somente após um título...abs,leandro

Turano disse...

Eu não acredito que só eu que vi que o Fábio Ferreira se apoiou no ombro do Fernando para fazer o primeiro gol. Diego, eu discordo que o Fernando falhou no lance do primeiro gol. Foi falta clara. O Fernando não conseguiu subir para disputar o lance.

Por acaso, a Globo decepcionou e não mostrou nenhum replay de perto do lance. Mas dá pra ver de perto em um dos replays do Globoesporte.com.

Eu achei que o Vasco não jogou tão mal, mas os laterais e Dodô estavam apagados. E Carlos Alberto parece estar longe de ter recuperado seu pé da contusão, seu chute não estava saindo forte. Realmente Elton teria sido uma boa opção no jogo de ontem.

Mas se o Nilton não tivesse dado aquele carrinho criminoso, o Vasco poderia ter revertido a situação. Não adianta o jogador ser raçudo e jogar bem o campeonato todo, se não tem cabeça para jogar a final.

Abraço Diego!

Diego Louzada disse...

Julio - Se pensarmos, veremos que nenhum dos que jogou ontem havia perdido nenhuma final pelo Vasco e já ganharam por outros times. Não vejo o porque de trabalho psicológico.
Temos dois centroavantes no elenco, Élton e Rafael Coelho, mas nenhum dos dois podia jogar ontem. Se ainda estivesse no grupo, Kardec seria uma ótima opção, que certamente Mancini faria uso.

Maldita FC - Fagner joga muito, mas fica machucado demais. Os anos de jejum nos deixam mais irritados com a derrota do que realmente deveríamos ter ficado. Não sairemos da lama direto para o luxo e você sabe bem que o Clube está no caminho certo, ao contrário da época que gerou a nossa insatisfação.

Turano - Achei falta no estádio e pela tv achei mais ainda. Acabei esquecendo de escrever isso no texto. Estranho que ele não reclamou. Nilton surtou de fato.

Abraços a todos!

Carlos Gregorio Junior disse...

Diego, bela analise cara. Bela mesmo. Essa ai que tu cita um time de escola foi a melhor que vi em todos os textos que li sobre o jogo.

É como vc disse, o Vasco jogou ate que normal. O que diferenciou o jogo foi a vontade e a entrega do bota. Dentro do que queriam, eles foram melhores. Mesmo tendo um timeco, time horrivel. Serão vices de novo...

Sobre o Vasco, independentemente da falta, achei que o Prass falhou tb, mas nao tem para crucificá-lo. Senão fosse suas defesas nao estaríamos nem na final...

Sobre o Nilton, temos que apoia-lo, mas tambem puni-lo de alguma forma, pois o que ele fez não comunha da gloriosa história vascaína. Vascão não é de acabar com a carreira de ninguém. Apesar disso confio muito no Nilton, o acho um bom jogador.

Temos que levantar a cabeça, pois o segundo turno vem ai e temos que vence-lo...

Abraçao

Diego Louzada disse...

Carlos - Nilton merece uma multa nada mais, até porque em mais de um ano, foi seu primeiro ato grave. Vai levar uma suspensão do TJD, logo merece perder uma grana.