quinta-feira, 19 de maio de 2011

No apagar das luzes, a esperança

Pela primeira partida das semifinais da Copa do Brasil, o Vasco recebeu o Avaí em São Januário e não passou de um empate em 1x1. O gol cruzmaltino foi marcado apenas nos acréscimos, com Diego Souza cobrando pênalti. A decisão da vaga será em Florianópolis, na próxima quarta, com o time catarinense podendo empatar por 0x0 para ficar com a vaga.

Sabendo da grande demanda por esse jogo, cheguei com bastante antecedência à Colina Histórica. E mais de uma hora antes, já havia milhares de pessoas no estádio, cantando e vibrando, além de fogos ao redor de São Januário. O clima de decisão estava no ar, na terra e principalmente no peito de cada cruzmaltino, presente ou não. Os minutos demoravam a passar e a cada olhada para as arquibancadas, mais vascaínos a lotavam em todas as partes. Com o Avaí aquecendo em campo, muitas vaias, mostrando a força do Caldeirão.

E quando a bola rolou, o Vasco tratou de ir pra cima. E a primeira chance de gol, veio logo no primeiro minuto. Em jogada pela direita, Diego Souza recebeu na entrada da área, tirou do goleiro e chutou, com Marcinho Guerreiro salvando de cabeça sobre a linha de gol. A blitz vascaína foi forte nos 15 primeiros minutos, mas o Avaí também sabia como levar perigo. O ótimo ala esquerdo Julinho partia pra cima de Allan e o estrago só não era maior pela cobertura ser do Mito Dedé.

Pesava contra o Vasco, a má atuação de Eder Luis e Alecsandro e os erros de passes de Felipe. Nosso maestro foi brilhante nos dribles, mas não estava em um dia bom em sua missão principal, colocar os companheiros na cara do gol. Anderson Martins foi o destaque da primeira etapa, se jogando em frente à bola para salvar dois possíveis gols.

Para o segundo tempo, mais que mudar peças, era preciso mudar a atitude e o capricho nas finalizações, em busca dos gols necessários. Apesar da perseguição da torcida, Diego Souza era o mais lúcido do meio para a frente e criava as principais jogadas ofensivas. As melhores chances eram do Vasco, mas a exemplo do jogo contra o Atlético-PR. a falta de gols preocupava e irritava a torcida.

Após perder gol aos 17, Alecsandro foi sacado para entrada de Élton, um pedido da torcida. Na base do abafa, Diego Souza deixou Élton na cara do gol, mas o 39 chutou para fora, perdendo grande chance. Aproveitando-se do nervosismo vascaíno, o Avaí começou a se criar na partida. William obrigou Fernando Prass a grande defesa em cabeçada.

As poucas chances reais criadas pelo Vasco daí em diante, foram rechaçadas pela zaga rebatedora do Avaí ou defendidas por Renan. Já com Bernardo em lugar de Eder Luis, Ricardo Gomes mandou Fágner para a beira do gramado para entrar em lugar de Allan, que foi muito mal ontem. Porém Anderson Martins se lesionou e precisou ser sacado para entrada de Douglas.

Obra do azar, foi justamente Allan o driblado no gol do Avaí, aos 35, com Julinho. Apreensão total na Colina, inclusive com algumas vaias, logo abafadas por gritos de apoio.

Aos 39, Ramon dividiu com o goleiro Renan e caiu pedindo pênalti. Para boa parte da torcida, inclusive os comentaristas no rádio, houve infração. Em minha opinião, choque casual, nada a marcar. A partida estava perigosa e tensa, com espaços para contra ataques do Leão da Ilha.

Na base dos cruzamentos, já nos acréscimos, Élton foi puxado pelo zagueiro dentro da área. Pênalti marcado e bola na cal, para festa e tensão na Colina. Vi mais gente tapando os olhos do que de olhos abertos. Diego Souza na bola e GOL, para explosão geral. 1x1

Segundos depois o jogo acabou, mas a torcida vibrou nas arquibancadas por um bom tempo após o jogo. A esperança reacendeu para a decisão na Ressacada. E se vamos sem vantagem no placar, vamos com muita garra, com um time que lutou até o último segundo pelo gol salvador.


Charge: BetoGomes

* Pressionar o adversário, perturbá-lo, vaiá-lo, tudo isso é legal. Porém podia ser evitado o uso do laser nos olhos do adversário, atitude anti-desportiva que não combina com uma torcida civilizada como a nossa.

Sds vascaínas a todos!

Um comentário:

Fernanda disse...

Caldeirão fervendo, jogo difícil, eu quase infartando...rsrs
Foi bom demais!
E pode ter certeza de que esse leão vai virar gatinho.


Parabéns,o texto ta ótimo e pela charge perfeita.