segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Seria o fim dos tempos

Dizem os estudiosos da religião, que no fim dos tempos, coisas estranhas acontecerão. E alguns profetas do passado, marcaram como ano do fim, 2012. Será, amigos, que de fato estamos perto do fim do nosso amado planeta Terra? Se levarmos em conta a parte dos fatos inesperados, podemos começar a nos preocupar. Em época que o Vasco perde do Fluminense, tudo pode acontecer. Ontem no Engenhão, o Gigante da Colina viu seu freguês vencer após um longo jejum, mantendo a liderança do campeonato. Já o Vasco, segue na 11ª colocação, com 45 pontos.
Infelizmente não pude comparecer a esse jogo, coisa rara em jogos no Rio. Assim, análise comprometida, já que todos sabem que meu negócio é estádio. TV, rádio ou internet prejudica visão tática e do clima do jogo. Mas vamos ao que interessa.
O jogo valia muito mais para o Fluminense, obviamente. Mas os jogadores do Vasco também queriam muito atrapalhar o rival, Clube que mais tomou atitudes contra o Vasco nos últimos anos, inclusive assediando jogadores do atual elenco.
PC Gusmão foi ousado, entrando com 3 atacantes, em um esquema adorado por mim e por quem gosta de futebol ofensivo. Mas logo aos 3 minutos, Felipe perdeu bola na meia lua de ataque, Tartá puxou o contra ataque, não foi parado com falta, tocou para Washington e depois apareceu para abrir o placar no rebote de Fernando Prass.
Com a vantagem no placar, o time tricolor fez o que mais sabe: retranca. E por ser mais fraco, aproveitava os contra ataques, já que Conca, única ilha de talento, estava muito bem marcado. O flu tem um bom time, mas aquele que estava ontem em campo, era pior que o do Vasco, ao meu ver.
E tanto era, que foi dominado, com o Vasco jogando em cima durante quase todo o tempo e finalizando mais. As chances tricolores eram em contra ataques ou em erros do Vasco.
Pecamos na finalizações, pra variar e descemos para o vestiário com um placar injusto.
Com Jonathan e Eder Luis abusando da velocidade, o Vasco seguia na pressão, com Berna aparecendo bem. Com Jefferson Silva, Fumagalli e Irrazábal, PC foi ainda mais ousado, deixando o time com apenas um volante, Rômulo, dois meias de criação e três atacantes.
Na melhor chance, Nunes meteu uma bola na trave e no fim, até Fernando Prass foi para a área, mas o juiz encerrou o jogo com a bola em nosso ataque.
Um resultado a lamentar, pelo provável título do rival e porque fomos melhores em campo e jogamos melhor que em muitos jogos onde empatamos ou vencemos. Mas futebol é bola na rede e em um vacilo perdemos o jogo.
Fica a esperança de que PC mantenha a estratégia ousada para o jogo do próximo fim de semana, contra o São Paulo. O time mais uma vez deu mostras de qualidade, mas faltou atenção e precisão para que obtivéssemos um resultado melhor.
Ainda faltam 4 jogos e se parecemos eternamente estacionados na 11ª posição, que ao menos pratiquemos um futebol de qualidade e tenhamos bons resultados. Não quero de forma alguma que o flu seja campeão, mas a exemplo de ontem, o time tem que entrar pra ganhar quem quer que seja, esteja na posição em que estiver.
.
Sds vascaínas a todos!

3 comentários:

leonardotc disse...

O Vasco jogou melhor, pq o fluminense recuou no segundo tempo e ficou jogando de contra ataque.
Mas acho que merecíamos a vitória.

Felipe vem jogando bem mesmo, o que é duro pra mim admitir, já que fui contra sua contratação.

Nossa lateral esquerda está péssima, ninguém se acerta lá! Não acho que a entrada de Irrazábal melhorou. Max estava mal, mas é melhor que o paraguaio.

Jefferson Silva tb acho mto ruim, segundo jogo que vejo dele e realmente não espero nada dele.

Fumagalli entrou bem!

Claudio Henrique disse...

Coisas do futebol Diego. Uma hora o jejum acaba, não tem jeito. Infelizmente não existe freguês eterno rsrsrs. Seria bom para os times de todo mundo.

Abraços!

Publicidade Esportiva disse...

O Vasco deu mole...

Precisa de um atacante nato! Matador... tá foda assim...

O Filipe ficou muito sobrecarregado na armação. O que houve com o Carlos Alberto? Está de férias? Só joga ano que vem?