sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Abaixo a igualdade

Já virou rotina. Jogo do Vasco, torcida confiante na vitória, empolgada ao ver o time abrir o placar e ...EMPATE. Em 21 jogos, já são 11 resultados iguais, que dão ao Vasco míseros 11 pontos, que poderiam ser obtidos com quatro vitórias. Assim, mesmo tendo perdido menos que o líder Fluminense, o Vasco ocupa apenas a 10ª colocação, tendo a mesma distância entre a Libertadores e o rebaixamento. Nesta quinta, o premiado com um ponto na casa vascaína foi o Avaí, que mesmo com um jogador a menos, obteve a igualdade em 1x1. O gol cruzmaltino foi marcado pelo lateral Ramon, com Caio empatando. No próximo domingo, o Gigante enfrenta o Internacional, no Beira-Rio.
O Leão da Ilha tem um time fraco. E pra piorar, foi montado covardemente pelo Cabeção Antônio Lopes. Só com Vandinho na frente, o time catarinense, confiava em Leandro Bomfim e Sávio. Ou seja. Nada. Desde o início, a estratégia era confiar em algum erro de passe do meio-campo vascaíno, que se via na obrigação de criar para furar o bloqueio.
Aos 24 porém, uma boa movimentação de ataque deu origem ao gol vascaíno. Éder Luís cruzou da esquerda para o lateral Ramon, voltando de lesão, cabecear de peixinho. Belo gol e festa na Colina pelo gol do xodó da galera. Minutos depois, Zé Roberto deu um lançamento de 50 metros no peito de Fágner, que cruzou para Rafael Coelho. O camisa 42, também voltando de lesão, foi empurrado dentro da área. Pênalti, que o mesmo cobrou ridiculamente, recuando para Renan.
Era a chance de liquidar a fatura. Porém, no minuto após o pênalti, o Avaí cobrou uma falta na trave. O time do Sul ainda perdeu dois gols de dentro da área. A melhor chance do Vasco foi em falta cobrada por Fellipe Bastos, que Renan bateu roupa e Rafael Coelho quase aproveitou o rebote. O goleiro sentiu o choque e a confusão se instaurou no gramado. Nenhuma expulsão.
No segundo tempo, com Jonathan em lugar de Coelho e Jumar no de Ramon, o Vasco cresceu bastante de produção. Chance de gol atrás de chance de gol, sempre desperdiçadas por capricho e preciosismo. Com as mexidas de Lopes, o Avaí tambem melhorou e passou a exigir trabalho de Fernando Prass, sempre muito bem.
Pouco depois, Emerson foi expulso por colocar a mão na bola e nada parecia mais poder tirar a vitória do Vasco. Porém, Rafael Carioca errou passe, armando o ataque do adversário, que foi salvo no primeiro chute por Fernando Prass, mas no rebote Caio empatou.
Daí em diante, o Vasco abafou muito, pressionou e se abriu para o contra ataque. Brincamos de perder gols, de todas as formas possíveis e sofremos um, bem anulado pelo trio de arbitragem. No fim, de gol perdido em gol perdido, o Vasco deixou mais dois pontos pelo caminho, entregues de bandeja a um adversário fraco, contra quem não se pode perder pontos.
Domingo temos um jogo dificílim0 no Sul. Será mais um empate, o fim da invencibilidade ou uma inesperada vitória? Que o domingo nos reserve uma boa surpresa.
.
Se os resultados não agradam, logo nos apressamos em achar culpados. Contra o Galo, cobramos da defesa. Ontem, do ataque. Mas onde de fato estará o motivo para tantos resultados iguais?
Em meu humilde ponto de vista, o time se acomoda. Ao fazer o primeiro gol, reduz o tesão pela ofensividade, dando margem para que o tempo passe e o adversário acredite no jogo. Ontem, até tivemos no pênalti uma chance evidente, que não aproveitamos. Se temos a chance de matar o jogo, temos que fazer. Não adianta, criar, jogar melhor e não vencer.
Pensando nas consequências do empate em um campeonato de pontos corridos, me prôpus a um exercício sobre a falta de valor da igualdade. Supondo que a vitória ainda valesse 2 pontos, como há alguns anos, vejamos como estaria o Vasco na classificação:
O Vasco seria o 7º, quatro pontos apenas atrás do Botafogo, último time na zona de Libertadores. Como a vitória vale muito mais que o empate, estamos estagnados no meio da tabela e se não mudarmos logo de postura, permaneceremos ali por muito tempo.
.
Sds vascaínas a todos!

4 comentários:

Claudio Henrique disse...

Antes empatar demais que perder demais. Mesmo assim, um time não pode empatar tanto. Alguma coisa deve ser feita para se resolver esse problema.

Abraços!

FilipeJMS disse...

As vezes eu me pergunto se perdessemos uma partida o time ia perder o medo, parar de palhaçada e jogar sério! Ontem fiquei muito puto, ainda mais com um jogador a mais!
Domingo eu quero vencer, ganhar daquele safado do Roth vai ter um gostinho especial!

Patrick Araújo disse...

O VASCO tem 11 empates na competição, se tivesse perdido 7 e ganhado 4 eu estaria mais feliz, pois teríamos um ponto a mais e essa inútil invencibilidade do PC já teria acabado e acabou hoje.

O treinador teve culpa direta em muitos desses empates, coloca em campo 4 ou 5 volantes e raramente coloca o time para jogar, prefere apenas se defender.

Hoje se tivesse um atacante bom e n tivesse perdido tantos gols, como o péssimo Rafael Coelho perdeu um que até eu fazia, teriamos uma sorte melhor. Fora a garfada no penalti, mais como o Coelho iria bater, ia ficar no 0. Daria no mesmo

Luciano disse...

Criei um blog sobre meu time de coração que é Fluminense e gostaria de perguntar se você poderia me ajudar fazendo uma parceria de link comigo,desde já muito obrigado e parabéns pelo seu blog:

Fluzão Eterno: http://fluzaoeterno.blogspot.com/

Fluzão